Gestação


Cuide-se antes de engravidar

florzinha

Tornar-se mãe mudará sua vida. Mas essa mudança acontece agora! Então o seu primeiro trabalho como mãe é cuidar muito bem de si.
Idealmente, a mulher e seu parceiro devem ir à uma consulta de pré-concepção para avaliação da saúde em geral:

  • - Rever condições de saúde da mulher, como hipotireoidismo.
  • - Histórico de problemas na gestação ou doenças ginecológicas.
  • - Histórico vacinal.
  • - Lista dos medicamentos em uso.
  • - Questões de hábitos de vida que podem por em risco a mãe ou o bebê (consumo de álcool e - drogas, cigarro, exposições a tóxicos ambientais ou no trabalho).
  • - Nutrição.
  • - Rotina de exercícios físicos.
  • - Histórico familiar dos parceiros para avaliar potenciais riscos de doença genética.

Não escape do seu check up!


Várias questões clínicas que são diagnosticadas na gravidez poderiam ter sido habilmente controladas (ou acompanhadas) previamente com exames de rotina e orientações do profissional de saúde, para checar como anda a saúde. O check up anual é a forma que se usa para detectar doenças precocemente. Exames de rotina não têm a função de prevenção de doença, ou seja, eles não são indicados para você evitar o problema, mas sim, para você saber se suas estratégias de cuidados à saúde estão funcionando. Prevenção de doenças e desequilíbrios se faz através do comportamento, buscando-se harmonia na relação mente- corpo, com cuidados na alimentação, atividade física, momentos de relaxamento e meditação, cuidados com a rotina de vida diária, controle de estresse, entre outros.

Uma mulher que está em idade fértil, ou seja, o período entre a primeira e a última menstruação, idealmente deveria ser submetida a exames com esse propósito citado acima, seguindo-se as orientações do profissional que a atende. Os cuidados com a saúde sexual deveriam se iniciar na primeira relação, ou seja, logo que entrar em contato com a vida sexual ela deveria receber orientações quanto ao planejamento familiar (prevenção de gestação), prevenção de DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis), avaliação clínica sobre a saúde geral, e manter uma boa relação com o local onde receberá esses cuidados, para que seja acolhida para sanar as dúvidas e ter os meios para conseguir colocar em prática as orientações recebidas.

Sendo assim, pode-se concluir que a saúde depende de situações que favoreçam positivamente seu estabelecimento. Por exemplo, é importante o acesso à água de boa qualidade para que se previna o surgimento de contaminações advindas da mesma. Neste caso, o estado onde a pessoa mora vai fornecer a água, que é um recurso natural, e a empresa de água, como a Sabesp, fornecerá o envio desta água para as casas. Também é feito um trabalho em conjunto de orientações sobre como se deve ser feito o consumo da água, para que se minimizem os riscos de contaminação. Equipes de diversos seguimentos, desde a própria Sabesp, até as Unidades de Saúde e as escolas, participam neste processo educativo, com trabalhos incessantes de envio de informação para a população.

Levando essa realidade para o assunto em questão, pode-se concluir que o trabalho de orientação a respeito da saúde é feito em plano multisegmentar, ou seja, a responsabilidade é de todos, e começa muito antes do que se possa imaginar. O cuidado para não ser acometido com água contaminada começa com seu tratamento dentro da Sabesp, mas a responsabilidade de não tomar a água diretamente da torneira da cozinha é de responsabilidade do consumidor.

A intenção de um indivíduo em cuidar de sua saúde não afeta somente a si mesmo. O que se faz com o próprio corpo e mente pode afetar positiva ou negativamente as gerações futuras, por isso é importante entender onde se começa a saúde, e como cada um pode colaborar para ver mudanças que realmente impactem a sociedade, pelo menos aquela que o rodeia na sua comunidade. Assim, serão colocadas aqui algumas conclusões sobre como o que eu faço hoje impacta o que acontece amanhã, tanto na minha realidade, quanto dos nossos filhos.

A saúde de um ser humano começa na gravidez, como tem esclarecido diversas pesquisas ao redor do mundo. Uma gravidez doente ou desequilibrada impacta diretamente a saúde do concepto (bebê), podendo gerar nele alterações que podem ficar silenciosas, se manifestando apenas na idade adulta, ou logo durante a gravidez. Se o bebê manifestar algum problema na gravidez, medidas podem ser tomadas na tentativa de reverter o quadro, podendo-se resolver tal problema, ou não. Talvez, o bebê consiga superar os desafios intra- uterinos e nascer são e salvo. Porém, não há como saber se ele ainda está 100% intacto apenas observando-o. Ele pode vir a apresentar desordens na primeira infância, durante seu crescimento, ou na adolescência. Se nada acontecer até o término da adolescência, ainda nada é garantido, pois doenças pré-determinadas geneticamente ainda dentro do útero materno podem vir a se manifestar lá pelos seus 40 e poucos anos.

Assim, como pode-se então intervir na saúde dessa geração que está por vir? Seria eu responsável pela saúde do meu filho contando apenas como foi a minha gestação, ou como foi a minha saúde pré-gestacional já interfere neste processo? E a saúde e hábitos paternos, também participam nisso tudo? A epignética é a ciência da atualidade que vem desvendando esses mistérios, e tem trazido um novo olhar sobre os cuidados com a saúde. Até pouco tempo atrás, se acreditava que uma criança obesa estaria fadada a uma vida adulta obesa também, mas essa ideia pode ser interpretada como superficial, devidos aos estudos atuais que se tem a respeito de genética e sua herança. A minha saúde atual interfere na saúde do bebê que gerarei daqui alguns anos? A resposta é sim, e devemos atentar cuidadosamente para esses fatos.

Para esclarecer, segue a fala do professor Berthold Koletzko, professor de Pediatria do Ludwig-Maximilians-Universität München (LMU) Munich, Dr. von Hauner Children´s Hospital: “Descobertas recentes mostram que exposições e experiências durante a vida precoce pode induzir a modulações epigenéticas do material genético contido nos oócitos e esperma, assim como no ovo fertilizado. Essas alterações agem juntamente a outros fatores ambientais no momento da concepção. Por exemplo, a composição do oviduto e dos fluidos seminais é influenciada pela nutrição, metabolismo e inflamação dos organismos dos pais. Esses efeitos transgeracionais que emergem desde antes da concepção afetam a saúde da geração futura. Contudo, a saúde da criança não é determinada apenas pelas modulações epigenéticas intra- uterinas. Modulação endócrina, padrões de crescimento, composição corporal, e outros mecanismos fisiológicos, também estão envolvidos na programação precoce da saúde mais tardia”.

Resumindo, é necessário seguir um padrão saudável de alimentação durante toda a vida. O que eu ingiro hoje interfere na minha prole que ainda nem está em meu ventre, e o resultado desses hábitos saudáveis serão colhidos pela criança que gerei, com a participação da saúde do pai do bebê. Assim, para começar a mudança hoje mesmo, estando grávida ou não, sendo a mãe ou o pai da criança, reveja uma lista de bons hábitos a serem incluídos na sua rotina diária para começar os cuidados com a saúde:

  • Alimente-se bem e evite junk food
  • Mantenha-se hidratado (tome água)
  • Não beba álcool (se não estiver grávida, beba moderadamente ou já corte o mal pela raiz)
  • Mantenha-se ativo e pratique atividade física
  • Aprenda como respirar de forma consciente
  • Durma bem, em tempo e qualidade de sono
  • Reduza o stress
  • Pratique o auto-cuidado
  • Gerencie seu ganho de peso
  • Lave suas mãos com frequência
  • Elimine toxinas
  • Suspenda o cigarro
  • Fique longe das drogas ilícitas
  • Controle o tempo em mídias sociais
  • Pratique meditação e yoga
  • Marque seu clínico e faça seu check up!
  • Siga as dicas de saúde com acompanhamento de seu médico

Adquirindo hábitos saudáveis fica mais fácil de parar com hábitos não saudáveis. Por exemplo, ao invés de ficar 3 horas na frente da televisão, caminhe no parque por 1 hora, leia um livro por mais 1 hora, e depois curta sua série favorita, por apenas 1 hora. A mudança pode ser sem sofrimento, basta saber fazer as escolhas e buscar o melhor caminho!

Até o próximo artigo!

Beatriz


© Ciclo Maternal 2020 - Todos os direitos reservados